Duvel Tripel Hop – degustação vertical lupulada!

Quando eu digo que quem guarda tem, o resultado é isso – uma degustação vertical lupulada de Duvel Tripel Hop de 2013 à 2015. Quem já fez ou participou de uma degustação do tipo, sabe o quão interessante é ver a evolução da cerveja, as características que perde e as que ganha, indo do visual ao aroma e sabor.

duvel tripel hop degustação vertical trip beer

2013, 2014 e 2015!

 

O melhor disso tudo é poder contar com a fresquíssima 2015 que mal chegou ao Brasil e, portanto, está quase que como tomando direto do tanque. E isso faz muita diferença! Confira o resultado aqui, com o que esperar de cada uma delas.

duvel tripel hop

Abrimos as três de vez!

 

Obviamente a 2013 foi a menos potente das três, mas conseguiu manter uma boa pegada. Todas as três apresentaram a mesma formação de espuma, variando porém a percepção de carbonatação no paladar. A 2014 mostrou uma evolução surpreendente, sendo bastante equilibrada e ainda parece recém saída da fábrica!

 

Duvel Tripel Hop 2015

duvel tripel hop 2015

A Duvel Tripel Hop 2015 leva Saaz-Saaz e Styrian Golding e dry hoping de Equinox.

A mais clara de todas, com um amarelo pálido e menos turbidez. A espuma é branca, com presença de muitas bolhas e boa persistência. O aroma está bem fresco, lupulado, capim, cheiro de grama molhada, herbal, com leve tendência cítrica, mas nada que seja mais evidente. Notas de malte bem discretas complementam o cheiro. O sabor então nem se fala. Lúpulo, lúpulo e lúpulo. Discreto cítrico também, equilibrando muito bem com o amargor e o malte. Álcool bem inserido e pouco evidente. A carbonatação média garante espuma do começo ao fim. O final é lupulado e nada mais (como se isso nesse caso fosse pouco) e o aftertaste é um pouco cítrico, e deixa um ótimo amargor residual.

duvel tripel hop 2015 taça duvel collection

 

Duvel Tripel Hop 2014

duvel tripel hop 2014

A Duvel Tripel Hop 2014 leva os lúpulos Saaz-Saaz e Styrian Golding e dry hoping de Mosaic.

A cor dela já mostra um pouco do trabalho do tempo, perdendo o amarelo pálido e ganhando tonalidades mais escuras um pouco, tendendo ao âmbar. A espuma segue branca de boa formação e persistência. O aroma está bem lupulado ainda, herbal, sem deixar algum rastro do cítrico. O sabor segue lupulado, com o malte ganhando mais espaço e uma leve acidez, garantindo uma secura gostosa a cada gole. O álcool segue firme, não creio que tenha perdido algo ainda, apesar de ele também não ser evidente na evolução da cerveja. A carbonatação segue média. O final é lupulado, seco e o aftertaste mais maltado, mais ainda com bom residual amargo.

Incrível a evolução dela! Está muito bem equilibrada, apresentando apenas um leve desgaste, com sabores e aroma bem preservados e ainda potentes. É ótimo ver o malte brigando por espaço com o lúpulo e isso sem destoar em nada no sabor ou aroma. Sério mesmo que já se passou um ano para ela?!

 

 

Duvel Tripel Hop 2013

duvel tripel hop 2013

A Duvel Tripel Hop 2013 leva os lúpulos Saaz-Saaz e Styrian Golding e dry hoping de Sorachi Ace.

De cara ela já apresentou a primeira diferença mais nítida – a mudança de cor. Ela escureceu, ganhou tons mais caramelo/alaranjado e ficou turva. A espuma apresentou a ótima formação de sempre de qualquer Duvel, mesmo após dois anos de guarda, com boa persistência, muitas bolhas e o belo belgian lace.

Já no aroma o tempo mostrou novamente o seu trabalho. O lúpulo já perdeu bem o seu impacto no olfato e ganhou um contorno mais cítrico, suavizado. O sabor ainda possui um residual melhor do lúpulo, com boa dose de amargor, cítrico com uma pegada de limão, um pouco terrosa, mais maltada e uma carbonatação mais baixa. O álcool pode ficar um pouco mais evidente, fazendo um bom trabalho com o malte e garantindo uma sensação mais alcoólica em meio a um corpo mais enfraquecido. Final seco, amargo e aftertaste com leve acidez.

Das três seguramente é a mais fraca, mas nem por isso a pior. Muito pelo contrário, não há pior, há três cervejas muito interessantes, que ganharam com o passar do tempo complexidade (falando da 2013 e 2014) e uma beleza própria.

 

degustação vertical duvel tripel hop

Três anos na mesma taça. O resultado é lúpulo pra mais de metro, com mais malte, mais carbonatação, um pouco mais de frescor!

duvel tripel hop degustação vertical blend

Três anos, uma taça!

 

Para coroar uma vertical tão bacana, mais Duvel. Uma bela garrafa rolhada de 1,5 litros para matar a sede!

duvel 1,5 litros

 

duvel

duvel degustação trip beer

 

Façam suas experiências, envelheçam cervejas, organizem degustações verticais e claro, chamem os amigos e se divirtam, sozinho isso não tem graça!

 

Santé!

 

By | 2015-05-06T12:50:36+00:00 May 5th, 2015|Degustações|1 Comment