Antigos estilos europeus de cerveja voltam à tona!

Das dezenas de estilos de cervejas e suas quase infinitas possibilidades de incremento, alguns ficaram esquecidos no tempo. Bom, pelo menos até alguns anos atrás. São estilos antigos de cerveja que estão voltando à tona, muitas vezes como releituras nas mãos de criativos mestre cervejeiros em todo mundo e no Brasil também!

Lichtenhainer

Um destes exemplos é da alemã Freigeist Abraxxxas Peared do estilo Lichtenhainer, que só apareceu na última versão, lançada em 2015, do BJCP. O estilo é mais um que se enquadra dentro de um contexto geográfico como as Gose, Berliner Weisse, Lambic e Flanders e que por sinal, possui em comum a característica ácida. No caso, a cidade de origem é Lichtenhain na Alemanha Central.

Freigeist Abraxxxas Peared

Após séculos de sumiço, o estilo aos poucos está ressurgindo em meio à febre por Sours, especialmente nos EUA. A Abraxxxas Peared é uma cerveja de trigo ácida, com toques defumados, adição de pera durante a fermentação e altamente refrescante.

Mas, apesar do ressurgimento ainda está atrás de cervejas históricas que estão no hype como Gose e Berliner Weisse. A norte-americana Sixpoint lançou uma também, que faz parte da série Mad Scientists que recria justamente cervejas antigas. A cerveja foi batizada com o próprio nome do estilo.

sixpoint Lichtenhainer

Sixpoint Lichtenhainer, servida apenas em chopp

Gose

As Gose nós já falamos por aqui. Gose um estilo que está voltando – são cervejas selvagens (na mesma linha das sour) de trigo que se caracterizam pela alta acidez lática e pela adição de sal marinho e sementes de coentro, isso na sua versão original.

De origem alemã, que remonta ao ano de 1397 o estilo é proveniente da cidade de Goslar. A cerveja provavelmente recebeu o nome devido ao Rio Gose, que passa pela região. Mas, foi em Leipzig, cidade também alemã que as Gose ficaram mais famosas.

Morada CDB Gose

Morada CDB, a Gose da Morada Cia Etílica

 

Nos Estados Unidos há receitas com pimentas, hibisco, grapefruit, blood orange e até cerejas. Na época eram cervejas de fermentação espontânea. No Brasil cervejarias como Abadessa (pioneira no estilo) e Morada Cia Etílica já lançaram suas versões de Gose.

cervejaria abadessa gose

Abadessa Gose

 

Grodziskie

De nome talvez ainda mais diferente, o Grodziskie – também chamado de Grätzer – ao contrário das cervejas anteriores, é tipicamente polonês. Em termos de cervejas históricas o estilo, dentre as quase extintas, é o que segue mais em baixa, contando com poucos lançamentos no mercado.

O estilo é caracterizado por ser uma cerveja de trigo e de cor dourada, de baixa densidade com um aroma e sabor de defumado em destaque, um amargor de lúpulo moderado e carbonatação elevada. O estilo surgiu há séculos na cidade polonesa de Grodzisk, que fica na província de Wielkopolska. Durante a segunda metade do século XVIII até o início do século XX, esta região da Polônia era governada pelo reino da Prússia e que se referia a cidade pelo seu nome em alemão Grätz, daí o sugundo nome Grätzer. Por fim, em finais da última metade do século XX a única cervejaria que ainda a produziu foi comprada e cessou a produção do estilo.

Mas, por incrível que pareça, um dos locais em que ele ressurgiu e pode ganhar alguma força é justamente aqui no Brasil!

Ninguém mais, ninguém menos que a Bodebrown deu o passo inicial. Com o nome de Bodebrown Grodziskie Piwo, a cervejaria lançou em 2015 o estilo em chope em parceria com a Associação de Cervejeiros Caseiros da Polônica (Polish Homebrewers Association – PSPD) e com um homebrewer de Oklahoma, EUA. Na época ainda foi destacado que a cerveja recebeu a levedura original, Polish Ale, coletada na antiga cervejaria e armazenada no Brewing Sciences Institute, em Colorado Springs.

bodebrown grodziskie piwo

Grodziskie Piwo da Bode fermentando!

 

A recriação dela pela Bodebrown não foi à toa. O Paraná, mais especificamente a cidade de Curitiba é um reduto de imigrantes poloneses, sendo a segunda cidade fora da Polônia em número de habitantes de origem polaca. Além disso é a única cidade brasileira a possuir grafia em polonês: Kurytyba. A ideia de tudo isso era presentear a comunidade local com uma cerveja que refletia as suas raízes.

Além da Bodebrown, de forma colaborativa as cervejarias Lund e Suméria criaram a Lion Polski Ale, outra Grodziskie nacional.

suméria lund lion polski ale

 

Cerveja artesanal também é história, cultura e resgate. Que mais cervejarias possam recriar e reinventar em cima desses antigos estilos europeus, trazendo-os à tona.

 

Saúde!

By | 2016-01-22T13:35:15+00:00 January 22nd, 2016|Curiosidades|0 Comments